domingo, 23 de outubro de 2016

A Estação Ecológica Uruçuí-Una, um patrimônio ecológico escondido no sul do Piauí

Talvez você nunca tenha ouvido falar na Estação Ecológica Uruçuí-Una, mas chegou a hora de finalmente você conhecer esse lugar ainda completamente desconhecido pelos piauienses.

A Reserva Ambiental Uruçuí Una está localizada no sudoeste do Piauí, nos municípios de Bom Jesus, Baixa Grande do Ribeiro e Santa Filomena e é formada por uma área de 135.000 hectares, a reserva foi criada em 1981 e é gerida pelo ICMBio(Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). A reserva tem como objetivo a preservação da vegetação do cerrado e a realização de pesquisas científicas.

Pedra Furada na Estação Ecológica de Uruçuí-Una / Foto: André Pessoa

O lugar é um dos mais surpreendentes do Nordeste, onde o Cerrado predomina e o relevo é alternado com chapadas planas, planície, vales, escarpas, paredões de arenito e cânions. A paisagem das serras e paredões lembra a dos Parques Nacionais Serra da Capivara e Serra das Confusões, no Sudeste do Piauí.

A reserva possui uma riqueza biológica magnífica. Nos vales e nas escarpas nascem rios, riachos e lagoas, entre eles, o Rio Uruçuí-Preto, o principal da região e um dos formadores da Bacia dos rios Gurgueia e Parnaíba.

Rio Uruçuí Preto, na Estação ecológica de Uruçuí-Una, ele é um dos principais afluentes do rio Parnaíba e deságua no município de Uruçuí / Foto: UFPI

Por ser uma Estação Ecológica seu uso é somente para pesquisas cientificas e visitas educacionais. Porém, antes de ser criada, em 1981, na área viviam dezenas de famílias que nunca foram indenizadas e que continuam se multiplicando dentro da Estação e, logicamente, depredando os recursos naturais disponíveis.

O Riacho da Prata, na Estação Ecológica Uruçuí Una / Foto: UFPI

Do alto percebe-se melhor a vastidão de Uruçuí-Una. Da cabine do helicóptero, constatamos um imenso chapadão, ainda desconhecido dos pesquisadores e dos mais antigos moradores locais. Também percebemos a existência de trechos intransponíveis. Há inúmeras depressões entrecortando serras e cânions.

Vista da Estação Ecológica Uruçuí-Una / Foto: UFPI

Em boa parte da reserva, uma extensa faixa ciliar de carnaubeiras anuncia a presença da vegetação de caatinga em pleno domínio do cerrado. Do outro lado, brejos e várzeas garantem o ambiente adequado para jacarés, antas, capivaras, tatus, macacos e aves.

Vista aérea da Estação Ecológica Uruçuí-Una / Foto: André Pessoa

Embora paradisíaco, esse pedaço do Piauí só foi descoberto pelos pesquisadores no final da década de 1970, quando a Secretaria Especial do Meio Ambiente, Sema, tornou reservas ambientais muitas regiões país afora. A bordo de um avião que sobrevoava matas brasileiras, o então secretário da Sema, Paulo Nogueira Neto, ficou perplexo ao avistar a região de Uruçuí-Una pela primeira vez. Encantado pela beleza cênica e pelo isolamento do lugar, movimentou técnicos e papeladas, para transformá-la num centro de pesquisas.

Morro d'água

Um dos locais que mais impressiona pela beleza cênica e abundância de água é o Morro D'água, a região fica isolada e poucos a conhecem. Ali, misteriosamente, de dentro de uma caverna com cerca de 40 metros de profundidade, brota uma água cristalina que jorra forte e volumoso formando um lago e segue construindo seu caminho por veredas fechadas, buritizais até desaguar no Uruçuí-Preto.

Fontes: Folha do Meio Ambiente, Flogão: Sou Mais Piauí

<<<==================================================>>>
Leia também:

A arte macabra de fotografar mortos no século 19

Fordlândia, a cidade perdida que Henry Ford construiu no meio da Amazônia

O trágico acidente automobilístico que matou 50 pessoas no Piauí em 1985
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...